Nessa pandemia do coronavírus o INSS sofreu mudanças!

Fonte: escritório gaspar
Sexta-feira, 06 de Novembro de 2020
Nessa pandemia do coronavírus o INSS sofreu mudanças!

O INSS tem passado por mudanças em seus processos de concessão de benefícios, prazos e de atuação presencial nas agências, para conter a disseminação da doença. As principais mudanças você confere abaixo:

 

Empréstimo consignado

      Para quem buscou ajuda financeira nesse período, a extensão do prazo máximo dos contratos de empréstimos consignados de aposentados e pensionistas foi uma das principais mudanças. O prazo saiu de 72 meses para 84 meses. Também houve a diminuição da taxa máxima cobrada, passando de 2,08% para 1,80% ao mês. Além disso, a margem consignável aumentou em 5%.

 

13º salário dos aposentados

      Como medida para auxiliar financeiramente os aposentados e pensionistas na pandemia, o INSS antecipou o 13º salário, pagando entre maio e junho. Alguns fatores influenciaram o pagamento, como o valor recebido pelo aposentado e o número final do benefício.

 

Prova de vida

      Após a suspensão da prova de vida, exigida anualmente para continuar recebendo as parcelas dos benefícios, o INSS desenvolveu uma plataforma para comprovação de vida online. Há possibilidade também de fazer a comprovação por meio de procuração para aposentados acima dos 60 anos.

 

Carência, prazo de desbloqueio e aumento de limite

      No cenário de empréstimos, os aposentados e pensionistas do INSS passaram a ter a alternativa de fazer consignado com 90 dias de carência. Novos beneficiários também ficaram dispensados de ter que aguardar no mínimo 3 meses para fazer um empréstimo consignado. O prazo para desbloqueio do benefício para consignações agora é de apenas 30 dias. O limite do cartão de crédito consignado também aumentou de 140% do valor da renda mensal para 160%.

 

BPC

      Já no Benefício de Prestação Continuada, a Lei Nº 13.982 de 2 de abril de 2020, permitiu que, durante a pandemia, o INSS adiantasse um valor de R$ 600 para os beneficiários. Os idosos de 65 anos de idade ou mais, além de deficientes de baixa renda que pedirem o Benefício de Prestação Continuada (BPC), podem solicitar o dinheiro. Porém, para ter direito ao BPC, é preciso que a renda familiar média por pessoa do grupo familiar seja menor ou igual a um quarto do salário mínimo (R$ 261,25 em 2020).

 

 

Alguns de Nossos Clientes